sexta-feira, 20 de Abril de 2012

Redes Sociais: devemos partilhar tudo?

sexta-feira, 20 de Abril de 2012
As Redes Sociais vieram e já são o foco do dia-a-dia quer das empresas, quer dos particulares. Sabemos que os nossos amigos viajaram para Paris, sabemos que a vizinha comprou um carro novo, sabemos que determinada empresa presta novo serviço, sabemos de tudo e mais alguma coisa e é esse tudo e mais alguma coisa que nem sempre deveríamos saber.

Os particulares partilham fotos. Fotos dos filhos, fotos dos amigos, fotos das viagens, fotos das festas de família... e partilham com amigos que adicionaram que não sabem de onde são, como vivem, o que fazem. "Linkam-se" aos irmãos, aos pais, aos primos expondo toda a sua árvore genealógica. Desabafam sobre problemas do dia-a-dia, do trabalho. Criticam os chefes, os amigos, os namorados. Fazem da sua página na Rede Social um autêntico "chá das 5", onde nada é privado, onde a palavra "partilha" é a máxima. Mas esquecem-se de uma coisa, uma coisa que está disponível on-line, para todos:

A partir do momento que nós colocámos uma informação na Internet, porque Rede Social é Internet, ela deixa de ser nossa e passa a ser de todos. Porque a partir do momento em que colocámos uma fotografia, que é nossa, os direitos de imagem passam a ser da Internet. Porquê? Porque partilhámos, porque no momento que fizemos Upload, assinamos uma declaração de cedência dos nossos direitos a um mundo que vai muito além do Share and Comment.

Passámos assim a estar disponíveis nas pesquisas do Google e um desconhecido de qualquer outra parte do planeta, pode encontrar-nos e é esse o principal perigo.

Partilhando informações privadas por mais que queiramos por vezes desabafar e discutir um assunto com outras pessoas, estamos a expor a nossa vida. O desconhecido fica a saber um pouco dos nossos dramas diários, o desconhecido fica a saber quem é o nosso pai, a nossa mãe. O desconhecido fica a saber o que fazemos, onde trabalhámos e a localidade onde vivemos. O desconhecido sabe de que cor é o nosso cabelo, que roupa vestimos. O desconhecido sabe que vamos viajar, deixar a nossa casa sózinha. O desconhecido sabe que vamos emigrar para outro país e sabe-se lá se esse desconhecido até não está nesse país?

O desconhecido será sempre desconhecido para nós. Este desconhecido fica a conhecer-nos sem nos perguntar uma única coisa, fomos nós que dissemos, fomos nós que lhe abrimos as portas da nossa vida. E ele permanece desconhecido, quando nós já somos um grande conhecido para ele.

Então esse desconhecido pode um dia aparecer à nossa porta e nós o trataremos como desconhecido, mas ele conhece-nos e até sabe que fomos de viagem, que temos pelo menos 1 computador, 1 carro e outros bens que mostramos, porque "a minha casa é tão gira". E quem sabe se esse desconhecido até não decide entrar na nossa casa? Só para nos conhecer melhor e levar algumas recordações nossas, porque ele já nos conhece tão bem.

E quando voltámos de viagem, partilhámos ao desconhecido que a nossa casa ficou vazia e ele até faz um Comment solidário e mais um Share da nossa vida.

Volto agora à pergunta do título deste post: devemos partilhar tudo? Devemos mostrar os nossos filhos? Dizer em que escola andam? Expor a nossa vida?

Há momentos em que nós não entendemos porque determinadas coisas acontecem, provavelmente muitas respostas estão naquilo que dizemos e mostrámos nas Redes Sociais.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Comunica-te!